Selecione a página

Lugar de sub

Lugar de sub

Lugar de sub

por | Fetlife, BDSM | 4 Comentários

Dentre as muitas asneiras que tenho lido recentemente, “lugar de sub” é uma das piores, perdendo nas estatísticas apenas para e “sub de verdade”[1].  Na verdade é meio cansativo voltar sempre a este tema, mas já tenho coisas demais entaladas, e a cota de sapos este mês já bateu a meta, de forma que lá vou eu…

A base deste discurso idiota é: Se a pessoa se apresenta como submissa, ela obrigatoriamente tem que adotar um padrão de comportamento “esperado”, agir de acordo com as regras do Sagrado Manual do BDSM. Sim!! Olha ele aí de novo!!!

Bom, como minha grana anda curta, não vou adquirir este volume. Até porque ELE NÃO EXISTE.  Deixa eu colocar isto de outra forma:

Se POR HIPÓTESE (isso significa que é uma teoria, que o que vou dizer não corresponde à realidade, ok, apressadinhos?) em meu código de conduta, minha sub não fala, só olha pra baixo, não usa calcinha, só se levanta pra andar, nunca discorda, entre outras coisas, isso diz respeito apenas a meu código de conduta. A mais ninguém.

Pode ser que muitos gostem do mesmo, e decidam formar um clube, fórum, site, associação, festa temática, ou coisa do gênero; onde todos os participantes aceitam obedecer a esse código. Daí a tornar isso lei…

Não me importa que esse grupo seja a maioria (esse é o problema com a democracia…rs). Isso não me obriga a aceitar ou seguir o mesmo conjunto de regras.

Esclarecido meu corolário, cito aqui algumas passagens interessantes, de cunho similar:

“Lugar de mulher é na cozinha, pilotando fogão, ou no tanque (é, isso é antigo) lavando roupas.” Vou me furtar de comentar este, por ser de um machismo tão ultrapassado e medíocre que não se sustenta nem entre os machões contemporâneos.

“Lugar de negro é na senzala”. Mais um anacronismo ainda presente, mas que exprime uma idéia similar.

“Lugar de pobre é na cadeia, por perturbação da ordem”

E por aí vai. Mas o conceito comum a todos é: “Fique em seu lugar, porque eu sei o que é melhor pra você”.  Esse saber é resultado da insegurança diante da possibilidade de perda de um lugar já ocupado, da perda de um status geralmente auto concedido

Mulher com algemas de couro e mordaça, saliva escorrendo e um olhar vibrante

Sub de alma…?

, da perda  da popularidade que não é questionada. Tudo isso é combatido através de falácias como “lugares” e “verdades”.

Imagina se o negro sai da senzala e entra na casa, se o manifestante consegue seus direitos, se a mulher sai da cozinha e vai pra empresa…e se a sub fala de igual pra igual com um dominador…que não é o seu?

Bom, eu imagino e não vejo nada demais. Aliás, vejo a possibilidade de diálogos interessantes, divertidos e de, quem sabe novas amizades surgindo. Vejo pessoas autênticas, verdadeiras, se comunicando através de pseudônimos, mas não de falsas máscaras, posturas e poderes.

Poder sobre o outro existe quando é concedido por este, ou quando lhe é imposto de forma inescapável, quando não há alternativa imediata. Conceda poder sobre você apenas a quem o fez por merecer, a quem completa sua fantasia, seu desejo, a SUA verdade. E nunca, nunca perca de vista o poder definitivo que é a sua vontade. Seu poder de decidir sobre si mesmo. Este, tem que ser sempre seu. Mesmo que você se submeta de forma total e imersiva, a vontade é sua, mesmo que, momentaneamente, sob a tutela de quem você escolheu.

Fale, grite, questione, revele, denuncie, respeite cuide, viva. Lugar de sub é com seu dom. Do jeito que lhes aprouver. E quem não gostar que se meta com sua própria vida.


[1] Já falei sobre isso em meu outro texto, “Mar de Títulos”

Originalmente publicado em 31/08/2013

Sobre o autor

4 Comentários

  1. Avatar

    “Se POR HIPÓTESE (isso significa que é uma teoria, que o que vou dizer não corresponde à realidade, ok, apressadinhos?) em meu código de conduta, minha sub não fala, só olha pra baixo, não usa calcinha, só se levanta pra andar, nunca discorda, entre outras coisas, isso diz respeito apenas a meu código de conduta. A mais ninguém.” – Perfeita definição! Parabéns pelo novo blog, está muito bom!

    Responder
    • Shadoweaver

      Grato mais uma vez, _nemesis!

      Responder
  2. Avatar

    Acredito que esse “comportamento esperado” a que se refere vem em parte da ideia que algumas pessoas têm de que ser submissa é ser desprovida de vontade própria ou desejos, sendo assim, seria natural apenas enquadrá-las em seus “lugares” …hein?! como se submeter fosse o reconhecimento da anulação de quem vc é, sandice. O absurdo é ainda maior se de alguma forma querem imprimir um “modelo” de submissão para nos dizer como, quando ou de que forma devemos viver nossos desejos e fantasias, o que me parecem mais bravatas de pessoas inseguras ou mal resolvidas. Sou submissa, não sigo modelos, placas ou levanto bandeiras, sou quem eu sou e sei exatamente qual é o meu lugar: onde escolhi estar, onde desejo estar, com meu Dom, do nosso jeito, no nosso caminho, como nos apraz, quanto aos outros e suas imposições de lugares como vc bem disse… que se metam com sua própria vida…rs Bom texto!

    Responder
    • Shadoweaver

      Ferge…grato pelo comentário, é bom saber que não penso essas coisas sozinho…rs

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pin It on Pinterest

Share This